21º Domingo do Tempo Comum, Ano C

A Liturgia da Palavra deste 21º Domingo Comum – C, é uma forte advertência para as condições necessárias para entrar no Reino de Deus cuja Porta é muito estreita.

O Reino de Deus é comunhão; a sua vinda ou a sua posse inaugura por isso um tempo de felicidade e de alegria. É uma festa que não acaba, porque é definitiva.


É uma festa para a qual são convidados todos os homens, mas a sua porta de entrada é estreita, tal como Cristo anunciou e em contradição com todos aqueles que, num optimismo compreensivo mas errôneo, pregam e pretendem fugir às suas responsabilidades e esperam um prêmio sem mérito próprio.


A pertença ao Povo de Deus não é um privilégio para ninguém mas um serviço para todos os que quiserem entrar pela porta estreita da doação total da sua vida.


A 1ª leitura, do Livro de Isaías, diz-nos que a salvação verdadeira e autêntica só no contexto universal, isto é, enquanto extensiva a todos os homens, se compreende como vontade do Senhor.


- «Eu venho reunir todos os povos e gentes de todas as línguas. Hão-de vir contemplar a Minha glória(...) Hão-de proclamar a Minha glória entre esses povos».(1ª leitura).

No tempo dos profetas o povo eleito tem plena consciência da sua pequenez e insignificância, no meio do vasto mundo. Não obstante isso, reconhece-se também sinal e testemunho de Deus entra as nações.


Hoje, esse testemunho deverá ser dado pela Igreja, que o mesmo é dizer, por cada um de nós, como o proclama o Salmo Responsorial :


- “Ide por todo o mundo, anunciai a Boa-Nova”.

Na 2ª Leitura, S. Paulo diz aos Hebreus, e hoje também a todos os membros da Igreja que, a correção necessária que os responsáveis da comunidade por vezes têm de fazer aos seus membros, deve ter sempre como objectivo a recuperação daqueles, e a consecução do bem individual e comunitário.


- «Meu filho, não desdenhes a correção do Senhor, nem esmoreças, se fores repreendido por Ele. É que o Senhor corrige aquele que ama, e castiga a todo o filho que toma a Seu cuidado». (2ª leitura).

Outro tanto se deve ter em vista na prática da correção fraterna. Imposição e terror, em oposição a uma caridade sem limites, devem sempre e em qualquer circunstância, estar fora de toda a correção.


O Evangelho é de S. Lucas que nos lembra que, uma das muitas e injustificadas preocupações do povo eleito, era a de saber quem e quantos se salvariam, nomeadamente, os contemporâneos de Jesus.


- “Alguém Lhe perguntou : «Senhor, são poucos os que se salvam?» Jesus disse aos presentes : «Esforçai-vos por entrar pela porta estreita. Digo-vos que muitos tentarão entrar, sem o conseguirem». (Evangelho).

Bem longe estavam estes homens de pensar que no Reino de Deus não têm lugar os protocolos e as convenções das sociedades terrenas. Privilégios e velhas tradições não contam. A vontade da comunhão exige que estejamos juntos em torno de uma mesa, na alegria de uma ceia, na abundância de um banquete.


A alegria de estarmos juntos leva-nos a uma refeição comum, a uma partilha que significa aquilo que somos. O Reino é simbolizado por um banquete, um lugar de encontro e de comunhão. Ele é-nos oferecido, somos convidados e devemos aceitar o convite. É um dom gratuito, mas deve ser recebido. O fundamento de uma nova igualdade e de novas relações entre os homens está baseada num apelo que Deus dirige a todos os homens.


Todos devemos chegar ao Reino, entrar na casa do Pai, sentar-nos à sua mesa. Todos caminhamos, na história, para um mesmo futuro, uma mesma terra prometida. Se há uma só meta, há também uma só porta. O universalismo entrevisto pelos profetas, é levado à plenitude por Jesus. Para os seus compatriotas, fechados nos seus privilégios, ele conta a parábola da porta estreita.


Está a nascer um mundo novo, no qual, judeus e pagãos se encontrarão juntos à mesma mesa, porque a impureza dos pagãos, que impedia os judeus de se sentarem à mesa com eles, está definitivamente anulada.


A seleção à porta do banquete não consistirá na separação entre Israel e os pagãos, mas na escolha de quem respondeu ao convite com solicitude e praticou a justiça, quem quer que seja. Jesus, com a sua ressurreição, é o primeiro convidado; entrou e já se sentou à mesa do banquete; foi o primeiro a conquistar o Reino. Esta é a prova de que o convite do Pai é real e espera verdadeiramente por todos nós.


Cristo, com a sua morte, demonstrou que a entrada no Reino não é um privilégio para ninguém. O convite é para todos e agora somos realmente todos iguais. Mas foi passando pela morte que ele entrou; pela porta estreita. Só quem tiver dado a vida como Jesus poderá entrar na sala e sentar-se à mesa.


A tradição ou o parentesco de nada adiantam para a salvação, nem mesmo as palavras, a cultura ou a pertença à Igreja. Somente a dedicação, a construção de um mundo que manifeste visivelmente a realidade do Reino. A solicitude em realizar uma comunhão faz descobrir a face dos que se sentam ao meu lado ou à minha frente na mesa do Reino.


Uma civilização de cristandade não tornava isso talvez bem claro, e muitas vezes atribuía a salvação aos baptizados, considerando-os automaticamente como pertencendo ao Reino, como se dava com os judeus que pertenceram à estirpe de Abraão.


O convite ao banquete tem uma única resposta : dar a vida a exemplo de Cristo. No cumprimento da História da Salvação, cada um deve saber usar da sua liberdade e aguentar com as responsabilidades das suas ações. Empenhe-se cada um em cumprir a Boa Nova e terá assegurada a salvação.


Diz o Catecismo da Igreja Católica :


1730. – Deus criou o homem capaz de raciocinar, conferindo-lhe a dignidade duma pessoa dotada de iniciativa e de domínio dos seus próprios atos. «Deus quis deixar o homem entregue à sua própria decisão (Sir.15,14), para que busque por si mesmo o seu Criador, e livremente aderindo a Ele», chegue à total e beatífica perfeição. (GS 17).


764. - «Este Reino manifesta-se nas palavras, nas obras e na presença de Cristo» (LG 5). Acolher a Palavra de Jesus é «acolher o próprio Reino». O germe e começo do Reino é o «pequeno rebanho» (Lc.12,32) daqueles que Jesus veio convocar em volta de Si e dos quais é pastor. Eles constituem a verdadeira família de Jesus. Àqueles que assim juntou à sua roda, ensinou uma nova «maneira de agir» mas também uma oração própria.




John Nascimento

0 visualização

©2008-2019 - Portal de Catequese Catequista Bruno Velasco.  Powered by Wix.com

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now